24.5 C
Santo Antônio de Jesus
quinta-feira, 30 junho, 2022

Lamentável:Hospital do RJ tem fila de corpos e BO por falta de médicos

Relacionados

Corpos enfileirados em frente ao necrotério lotado do Hospital Municipal Lourenço Jorge, na Barra da Tijuca

Funcionários do Hospital Municipal Lourenço Jorge, na Barra da Tijuca, denunciam um cenário de crise na principal unidade de emergência na zona oeste do Rio. Com a capacidade do necrotério lotada, o hospital tinha corpos enfileirados em cima de macas, conforme mostram fotografias feitas na tarde de ontem (28) em um corredor da unidade. Dois profissionais do Lourenço Jorge morreram em decorrência da covid-19 e ao menos sete médicos pediram demissão alegando falta de condições de trabalho. Uma enfermeira do hospital registrou ontem ocorrência policial após a morte de uma paciente com a doença, que sofreu parada cardiorrespiratória na ala dedicada ao tratamento de coronavírus.

28.abr.2020 - Corpos ficaram enfileirados em frente ao necrotério lotado do Hospital Municipal Lourenço Jorge, na Barra, zona oeste do Rio - Divulgação
Corpos ficaram enfileirados em frente ao necrotério lotado do Hospital Municipal Lourenço Jorge, na Barra, zona oeste do Rio

Segundo funcionários ouvidos pelo UOL, o necrotério da unidade, com capacidade para 25 corpos, está lotado. Ontem à tarde, o estacionamento da emergência ficou isolado, chamando a atenção de quem trabalha no local. O espaço foi destinado a um contêiner refrigerado, que será usado para armazenar corpos. “Na segunda-feira [27], quando saí do plantão, vi que isolaram o estacionamento com uma fita. Achei que fosse alguma obra. Hoje [ontem], colocaram um contêiner colado na porta do necrotério. Tem muita gente morrendo. É assustador”, relata a técnica de enfermagem Elaine Sales.

A informação foi confirmada pela Prefeitura do Rio, que negou contudo a lotação do necrotério e disse que a iniciativa era preventiva. “A informação sobre ‘corpos amontoados’ não procede. Além de possuir um necrotério, o hospital alugou, preventivamente, um contêiner que poderá ampliar a capacidade de armazenamento, se necessário”, respondeu, em nota enviada pela assessoria de imprensa da Secretaria Municipal de Saúde.

Enfermeira registra BO por falta de médico após morte

Transferida desde segunda-feira (27) para trabalhar no “covidário”, nome da ala destinada a pacientes com sintomas de covid-19, a enfermeira Priscila Gomes Villela decidiu denunciar a falta de médicos no local após a morte de uma paciente, registrada à 0h46 de ontem. Se estou com paciente no covidário, tem que ter médico lá dentro. Muitos pediram demissão no início da pandemia e outros foram afastados com sintomas de covid. Mas não houve reposição. Não vou ter as minhas mãos sujas de sangue por incapacidade do hospital. Fonte:

O que diz a Prefeitura do Rio

Em nota, a Secretaria Municipal de Saúde disse que serão feitas adequações nas escalas. Mas não informou se irá contratar novos médicos. “O Hospital Municipal Lourenço Jorge tem profissionais de saúde afastados por licença médica, no entanto, está sendo feita readequação de escalas para garantir assistência aos pacientes”, informou. A secretaria foi questionada sobre a denúncia de falta de médicos na ala dedicada ao tratamento de covid-19 no momento da morte de uma paciente. A pasta informou que irá investigar. Segundo a pasta, foram abertos 424 leitos exclusivos pela rede municipal para o tratamento de pacientes com a covid-19 desde o início da pandemia. Fonte: UOL Notícias

 

spot_img
spot_img

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

+ Notícias

Saiba se o seu nome está na lista dos aposentados e pensionistas do INSS para receber cerca de R$ 1,5 bi em atrasados

Ainda nesse mês de junho, os segurados do Instituto Nacional do Seguro Social (INSS) vão receber cerca de R$...